... o local onde grito sem medo, nem censuras...

14
Jan 09

 

Quero voltar a ter 15 anos!
Quero voltar a ter 15 anos onde dizia amo-te à segunda vez que cruzávamos os olhares. Onde ao primeiro beijo eras o meu amor eterno e onde olhava para ti e ía-te amar para sempre.
Quero voltar a ter 15 anos onde eras o primeiro homem na minha vida, e com isso tinha a certeza que me ia casar ctg, que iria gritar aos 7 ventos que tinhas sido o  meu único e eterno amor.
Queria ter de novo 15 anos, onde o namoro mais forte e mais apaixonante acabava ao fim de duas semanas e achava que o mundo ia acabar! Que estava a sofrer como nunca tinha sofrido e que seria impossivel voltar a amar alguem!
Queria voltar a ter 15 anos, em que estas dores faziam derramar lágrimas como não antes derramadas mas ñ havia problema, havida smp mais que gente à nossa volta com os braços prontos.
Queria voltar a ter 15 anos onde o futuro é incerto mas mais certo que nunca! Onde sabia o quando e o que ia fazer na vida.
Quero voltar a ter 15 anos onde as conversas intimas na casa de banho faziam mais que sentido e em que se tornavam lemas para a vida.
Quero voltar a ter 15 anos, onde os problemas parece que nos derrubam totalmente, vamos abaixo dia sim dia não, choramos com novelas lamechas, músicas "romanticoridiculas", e até filmes heróicos onde a personagem principal vai ao fundo.
Quero ter de novo 15 anos, onde a saída com os amigos era cerimónia essencial, onde os copos e as bebedeiras eram parte da vida para se fingir que se era crescido, onde os disparates a fim eram repetidos como certezas, onde as dores doiam mais que muito mas passavam no dia a seguir.
Queria voltar a ter 15 anos, onde tudo era desculpa e desculpado, porque tinha apenas 15 anos!
publicado por Ovelha Negra às 22:00

 


Dec 10 4:18 PM
Às vezes as palavras custam a sair!
Torna-se por vezes dificil conseguir exprimir o que se sente,  e às vezes sinto-me totalmente abalada com uma vontade enorme de escrever e exprimir e pintar o que me vai na alma.
As palavras têm todas elas um peso enorme, e é isso que às vezes nos transforma!
E hoje, à volta de tabelas e gráficos, calhamaços a que chamo bibliografia para terminar algo a que chamam tese, parei. Parei porque fui totalmente assolada por uma enorme vontade de escrever.
E sobre o quê? Há algo acima de muito que me transforma esta vontade, e hoje, como ontem, é a mesma. Tu!
É impressionante quando reparo na quantidade de vezes que escrevo sobre ou para ti. É porque nem sempre posso cuspir esta vontade toda de te dizer algo. Mas hoje tal como noutros dias mas diferente, quero após um mês e meio dizer o que sinto.
Não foi um início fácil, a lua-de-mel que me disseram suposto sentir, focou-se na preocupação se as coisas poderiam ainda piorar. Na realidade tudo era complicado, o jantar, o aspirar, o lavar, o passar a ferro... coisas banais importantes que não lhes atribuimos tais categorias porque estamos demasiado ocupados a pensar no como vai ser amanhã. Pois bem, isso preocupou-me de ínicio, e ao contrário do que era suposto, daquilo que senti inicialmente, houve uma óbvia, enorme, deliciosa e prazerosa melhoria.
Como é dificil esta união/relação/matrimónio... o que seja... mas tão nossa!
Depois há aqueles cancros pelo meio, que nem com muita quimioterapia os eliminanos... é impossivel, a minha memória é mais de elefante que de peixe... mas o bom, aquilo a que me posso agarrar, é que cada vez fazem menos mossa e são menos importantes. Não conversamos sobre isso, mas não há dia que não esteja no meu pensamento, cada vez menos é certo, e sabes porquê? Porque a cada dia que passa, cada dia que acordo ao teu lado com um beijo leve e doce, cada noite que me sento à tua frente para jantar aquilo que carinhosamente preparei, cada noite que desespero em frente a um pc por causa de um limite de uma tabela, cada noite que nos deitamos enroscados, e mesmo sem dizer boa noite um ao outro adormecemos de pés dados... é cada momento que me permite reforçar a ideia de que és tu!
E aquilo que é dificil e que dói... vai-se desvanecendo e desaparecendo, deixando apenas uma vasta e importante aprendizagem.
E sabes, apesar das queixas, e de "oh meu Deus..." na realidade é bom ouvir, "querida cheguei!", é bom sentir o beijo na testa ou na bochecha (mantemos o acto de amigos), e é bom ouvir-te ao meu lado naqueles 10min em que paramos os dois no sofá, e a olhar para ti enquanto te ouço, reforço para mim inconscientemente que és mesmo a minha alma gémea!
E já me garantiram que o és!
No ínicio "disto" o medo assolou-me! Sabes, sempre que nos apaixonamos, achamos que é mais forte que nunca, que nunca ninguém nos fez sentir assim antes, que essa pessoa nos está a ensinar a conjugar o verbo amar, mas na realidade, esta nova pessoa está é a despoletar em nós algo que já sentimos, e que se acabou mal, sofremos, sofremos muito, achámos que o mundo ía desabar se a dor não desaparecesse do nosso peito. No fundo, se calhar era isso que receava, que um olhar sincero no seguimento de um beijo mágico nos pudesse trazer de novo as lágrimas aos olhos. É um risco! Apaixonarmo-nos (de novo) é um risco. Que não há muito pouco tempo dizia ter sido estúpida essa decisão. Na realidade é o contrário o que sinto, sinto que és o meu Miguel, mas se manifesto o contrário  é porque uma parte de mim ainda sente esse medo... o medo de perca, de dor, de sufoco!
Na verdade, não és o meu primeiro amor, não sei sequer dizer-te se és o mais forte, pois o que senti antes desapareceu totalmente, mas uma coisa afirmo sem qualquer dúvida, amo a sensação de te amar, amo a sensação de me sentir amada por ti!
Amo o teu olhar!
Amo o o teu toque!
Amo o teu sorriso!
Amo as tuas gargalhadas!
Amo o teu respirar no meu pescoço enquanto deslizas devagarinho dentro de mim!
Ínicios de noite aos beijinho na cama, aos miminhos, nos toques com as pontas dos dedos, no encaixe perfeito das mãos em cada parte dos nossos corpos... fazem parte deste amor!
E agora copy paste de um texto que uma vez te escrevi aqui há cerca de um ano, que se encaixava na perfeição numa caixa de e-mail, neste texto faz agora mais que sentido!

"Adoro... " lembras-te? Sabes qual é?
Adoro quando me dizes meu amor…
Adoro quando dizes que me amas…
Adoro quando sorris para mim…
Adoro quando a tua mão entrelaça a minha…
Adoro quando os teus braços me envolvem…
Adoro quando te abraço…
Adoro dizer-te bom dia…
Adoro olhar para ti…
Adoro sentir-me tua…
Adoro quando dizes que sou só tua…
Adoro que me queiras…
Adoro querer-te…
Adoro aquecer-te o leite…
Adoro saber que estás bem…
Adoro quando estamos a adormecer e os pés se tocam…
Adoro estar abraçada a ti no sofá…
Adoro poder partilhar as minhas mágoas contigo…
Adoro fazer amor contigo…
Adoro sentir-te e ver-te ter prazer comigo…
Adoro pensar em ti…
Adoro receber uma mensagem tua…
Adoro preparar-te o jantar…
Adoro fazer-te uma massagem quando precisas…
Adoro que estejas ao meu lado…
Adoro adormecer no teu peito…
Adoro sentir-te a observares-me…
Adoro sentir o à-vontade e a confiança a teu lado…
Adoro chegar a casa cansada e encontrar-te…
Adoro quando me dizes que te sentes bem a meu lado…
Adoro quando me procuras…
Adoro dar-te um mimo…
Adoro sorrir para ti…
Adoro falar em ti…
Adoro pensar em ti…
Adoro passear contigo…
Adoro rir contigo…
Adoro momentos aparentemente insignificantes contigo…
Adoro sentir-te dentro de mim…
Adoro as tuas mãos a percorrerem o meu corpo…
Adoro beijar-te…
Adoro tocar-te…
Adoro acalmar-te…
Adoro ouvir-te…
Adoro entender-te…
Adoro a nossa amizade…
Adoro a nossa paixão…
Adoro o nosso amor…
 

Assim, é a forma mais fácil e mais sincera de definir o que sinto. E não és perfeito, e dás-me dores de cabeça, e às vezes irritas-me ao ponto de cerrar os dentes... mas caramba, és demais! Faz parte da nossa música! Porque claro que como qualquer amor sincero, tinha que fazer parte das nossas vidas uma música lamecha com que nos identificássemos! "És demais"... tornou-se nossa bem antes de nos tornarmos um do outro, tornou-se nossa mesmo antes do desejo!
Meu amigo, meu companheiro, meu amante, meu confidente, meu homem, meu spider... a tua Mary Jane ama-te!
publicado por Ovelha Negra às 21:59

 


14/Nov 10:51
 
 
Sou torta! Tenho mau feitio, ressono se tenho o nariz entupido, chateio-me com pouco e num instante elevo a voz qd me chateio. Desconfio de tudo e todos, acho sempre que há palavras por trás que as pessoas não querem dizer.
Sinto sempre que é impossivel as pessoas sentirem o mm que eu, partilharem da mm forma aquilo que estou a sentir e principalmente serem para mim como sou para elas.
Dedico ao máximo a quem gosto, mas espero sempre o retorno. Sim!, faço porque espero que me façam.
Fujo rapidamente do que dói, e receio sempre largar uma lágrima, não luto por algo que considero perdido, desisto na altura certa.
Quebro o orgulho, dou a mão à palmatória quando sei que estou errada, peço desculpa, baixo os olhos e espero a pancada.
Defendo e cerro os dentes naquilo que é meu, naquilo que amo. Mas não acredito no amor eterno, isso é um qualquer resultado de um qualquer romance escrito por um escritor louco.
Sou única, peça impossível de reproduzir, e ainda bem, o mundo não ficaria melhor se houvesse alguém igual a mim.
Acredito no amo-te, mas acredito tb que alguém é capaz de te olhar nos olhos e estar-te a mentir. Acredito no desespero do amar, do querer, do fazer e dizer aquilo que nunca se achou capaz.
Acredito nas palavras de quem sofre. Indigna-me como se destrói algo tão rapidamente, algo que foi supostamente importante... em torno de quê? De um amor? E que diferença terá esse amor para outra qualquer coisa? Qualquer outra relação ou junção ou qualquer coisa acabada em "ão" que decidimos denominar.
Serei diferente porque sim e terá compensado a aposta? Em dúvida hoje! Em dúvida se todas as tão grandes decisões tomadas ultimamente serão as correctas, se as personagens serão as correctas. Se as palavras mentiras foram pronunciadas pelas pessoas certas ou pelas erradas...
Hoje, e como não há muito.... em dúvida...
Em dúvida se tudo vale a pena, se agora será diferente, se eu sou diferente, se eu sou importante...
E agora estranhamente, com vontade de me desprender... libertar de algo que não teve uma ponta de sinceridade desde o inicio...
E agora com vontade de gritar que não sei se quero mais... não sei se a minha dedicação foi a certa.
E agora com plena certeza, que ouvi mentiras que afinal eram verdade...
E com que certeza? Com que certeza sem trocar palavras com ninguém... com a certeza que não era do sapindus saponaria... era de mim, e de mim para ti, e de ti para outrém...
E 6 não é 4 e uma de desespero não são várias de prazer!
Agora se me apetecer entro no descontrolo erótico, merecias... fizeste-me isso...
E no fundo, sinto-me apenas uma repetição de estádios, sou a refinação dos temas e dos sítios, talvez agora a pessoa certa julga ele... mas sou única, não sou um copy paste com alterações a jeito.
Cansada... cansada da certeza da mentira presente sem total assunção disso. Agora não há volta a dar, e nem tema isto vai ser de uma qualquer conversa séria ou menos séria...
Não me arrependo de ter descarregado noutros, parte de mim ainda sente que isto é o correcto, mas que fui incorrecta por apenas acreditar num olhar profundo... isso sim, e tenho pena do ter feito, não tenho prazer especial em magoar ninguém. Eu própria fui atropelada.
Agora... com mais certeza ainda... sem dia certo e muito menos com aquele a que dás importância.
Certo, escrevi tudo de enfiada o que me estava na alma.
 
publicado por Ovelha Negra às 21:58

 


23/Out 16:22
 
Constatei agora que não temos nenhum dia nosso!
Não há nenhum dia de inicio de namoro, até porque esse nunca começou.
Esta é sem dúvida a verdadeira amizade!
Sabemos a que dia nos conhecemos (coisa tipica em nós e as datas), e como qualquer outra amizade, ela foi desenvolvendo, desenrolando a confiança e a vontade de estar junto. Como em qualquer outra amizade houve uma construção a dois, um caminho percorrido.
Alguém sabe dizer a que dia se tornou melhor amigo de alguém? Alguém comemora cada mês que passa dessa amizade? Nós somos o mesmo! Fomos crescendo lado a lado, como dois amigos, doces é certo, não coloridos, doces, fomo-nos tornando importantes um para o outro, foi desenvolvendo esta vontade de mais! A vontade de companheirismo, de desejo, até mesmo de excitação!
E isso tudo é por demais fenomenal!
Fomos escalando, subindo cada vez mais nesta troca de carinhos... nesta troca de seres!
E agora decidimos avançar mais! Correndo aquele risco de quem não sabe bem o que espera, de quem sabe o que quer apesar do compromisso pra vida. É uma construção a dois sem dúvida, uma nova fase nesta relação/relacionamento. Mais uma vez e cada vez mais os espaços começam a tornar-se tão nossos, e agora sem qualquer dúvida, o que é meu é teu!
O que quer que se chame ao que existe, é sem dúvida especial!
E daí e por isso é tão bom sentir o teu beijo no seguimento de um amo-te... és demais!
publicado por Ovelha Negra às 21:56

 


28/Ago 9:53
 
 
Este Verão foi absolutamente espectacular!
Assim que entrei de férias fui passear 3 semanas pela Europa, e nem que passasse aqui o resto do dia, conseguia pôr em palavras aquilo que vivi! Né coração? Desde procurar a estação de comboios no aeroporto que não existia, mais chegadas de medo a Praga, mais, poucas melhoras em Budapeste... Bem... só nós sabemos!
E na última semana junta-se o mano, o doce e o "como é que é pessoal!"! Louco! Se há lá dia que não hajam 1001 histórias para contar!
Claro que adorava pôr aqui as fotos, mas falamos de 2700... requer alguma selecção... pois é, para mais tarde recordar!!!
E para não parar, lá vamos uns dias para Albufeira com o doce! Olha o escorrega, e a ilha de Tavira, e claro, mais uma vez aqueles momentos só nossos em sítios que transformamos em paradísiacos!
E por fim, para o comemorar um quarto de século, siga para a Barca (com a mesma, lol), e que dias doces... mais uma noite inteira na rua a dançar as pimbas todas, ou algo parecido, que a partir de uma certa caipirinha ou shot de tequilla a coisa torna-se complicada! Pequeno-almoço no mesmo café do ano anterior, dormida na Laurinda, tarde no paraíso (sim, que eu volto!) e pum! fogo de artificio e "prontos, acabou-se o S.Bartolomeu!".
Última noite no teu peito e regresso ao trabalho após um mês!
publicado por Ovelha Negra às 21:56

 

14/Jul 19:43
 
Nos últimos dias ouvi o melhor dos conselhos que me poderiam ter dado! Ama-o!
Esquece histórias fúteis sem qualquer importância. Não valorizes o que não tem valor. Olha para ele, para o que ele te diz com o olhar...
Conselho certo, conselho que me soube tão bem ouvir, principalmente de quem veio!
Meu amor... meu amor desconhecido, houve alguém que me disse para te amar, porque esse amor é tão partilhado. Meu amor, e como é essa partilha!
Conselho quando? Conselho num jantar, num jantar de celebração, em que os teus, os importantes estiveram contigo, e mais uma vez, o meu espaço, que se torna cada vez mais nosso, foi disponibilizado para ti, para o teu momento! E foi bom ver-te feliz no teu grupo! E conseguis-te a proeza, essa fenomenal que poucos conseguem!
E mais uma vez o prazer que tive em estar presente!
publicado por Ovelha Negra às 21:55

 

4/Jul 12:40
 
 
Queria um convite para jantar... um convite para uma noite romântica. Um convite para um jantar com direito a cinema. Queria o teu tempo. Queria ter a importância tal de ser prioridade. Queria-te agora que dava. Queria sentir-te e não ouvir que um dia hei-de querer não sei o quê. O não sei o quê e o hei-de querer não combinam. Preciso de sentir-te agora. Preciso desse querer preso nas palavras que não se transformam em actos... Precisava desse convite já! Antes de ir... Preciso de momentos a dois, com amor doce sim, com os corpos nus enrolados no prazer um do outro... Na procura e evidências óbvias do me agrado, te agrado enquanto nos perdemos um no outro. Mas era mais... era mais longe que o encontro na nossa cama... eram os momentos de rir, de despreocupação, momentos mágicos como aquela manhã! Mais manhãs, em que o sexo passa para segunda plano, e o fazer amor se põe em prática! Não, não é namorar, no nosso caso é amizar! Preciso de uma dedicação... Agora preciso a sério, uma dedicação extrema e tua... Para mim... Porque és demais, te amo em tudo, bem, quase tudo... Mas preciso-te... muito! Estou descrente, quero-te, mas não te quero, apeteces-me mas não sei. Criei dúvidas em mim, ou terás sido tu a criá-las em mim?... Já não quero dúvidas, quero certezas, dá-me certezas! Melhor, mostra-me certezas. Prova-me esse amo-te sentido que me partilhas. Quero-te muito, quero-te já, quero-te sem medo, quero que me queiras... Agora... agora bebé. Já não relembro fantasmas, os filmes de terror são criações do homem, são deixados em telas, que assustam apenas os mais medrosos na companhia de uma balde de pipocas. São outros medos agora. Medo do sentir, do sentir em vão. Medo da espera que já não se quer... medo do sério, a assunção disto. E isto define-se por amor. O nosso, tão perfeito, tão inocentemente criado. Crescido na melhor base. No meio de mimos na mostra de fotos, com recordações de sandes de fiambre e café com baratas às 6h da manhã! Há melhor? Há melhor que 8 anos de conhecimento, de vais aos meus anos? De, bebemos café? De, e a nossa bebedeira? De, já não te via há tanto tempo como estás? De, preciso de uma amigo... e estives-te! Há melhor? É perfeito! Mas os medos... Segura-me no teu colo, põe a tua mão à minha volta, diz mais vezes que me amas a olhar-me nos olhos... com um convite para dançar... é para quando? Quero o quarto cheio de velas, quero me peças para vestir algo sexy, que mesmo que não aches me chames gostosa... Preciso de um convite de fim-de-semana a dois. Num sítio escolhido por nós, para amizar... faz falta bebé, faz falta ao nós... Não te quero certo, é bom conquistar-te, mas quero certezas! E adoro adormecer no teu colo, adoro acordar com os pés entrelaçados, adoro amar-te! Mas não é mau pensar no porquê? Diz-me meu amigo, porque razão o faço, quando tenho este sentimento de perda? Queria que entendesses, queria que percebesses que quando digo coisas não quero ser má, não te quero magoar, são defesas, para não doer tanto nem sei o quê! Medos desconhecidos! Apoia-me! Fica ao meu lado, dá-me a segurança que me levaram quando a dedicação foi igualmente forte e me deixaram apenas o olhar vazio... Cuida de mim! Traz-me também o leite a cama, diz-me bom dia, boa noite, tou a pensar em ti... É a dança que falta, o convite para jantar, a ida ao cinema, as velas no chão do quarto...
publicado por Ovelha Negra às 21:55

 


9/Jun 16:11
 
Deixem-me contar-vos um dia!
Houve um dia que cheguei a casa tarde. Um dia de rotina normal na altura. Eram cerca das 2h da manhã, estava cansada e o meu corpo pedia a cama. Vinha no caminho a pensar como um colo me saberia bem, como os braços à minha volta seriam tão doces.
E cheguei, ainda antes da luz se acender percebi que tinha lá estado, e a luz acende... uma rosa vermelha com um cartão esperava-me à entrada!
Derreti-me logo! Ele tinha lá passado, e porque? Não sei, seria um dia banal, igual a tantos outros, ou seria dia 14 de Fevereiro? Dia institucional para o chamado dia dos namorados, mas então e visto este rotulo, porquê a rosa?
E peguei em ambas as coisas, li o cartão enquanto o sorriso rasgou-se na minha cara e não mais saiu!
Entrei, a magicar logo que msg iria servir de resposta àquele gesto que eu tinha amado!
Mas, surpresa! Mais surpresas, mais cartões, mais recados!
E no seguimento das setas pelo chão espalhadas, na direcção de uma taça de morangos e um prato de gambas, a melhor... a presença em espera enquanto falava sozinha pela casa a deliciar-me com tudo!
O doce do sundae preparado a rigor, a prova de que foi algo pensado e não aleatório ou do momento, planeado portanto...
O fim perfeito! Eu e ele, enrolados e perdidos um no outro no meio de beijos e abraços, no meio de nós enquanto corpos e seres, no meio do nosso amor, em prova que as coisas doces fazem-nos bem!
publicado por Ovelha Negra às 21:54

 


3/Jun 9:30
 
É quando te vejo e te sinto que a dúvida se instala...
Os teus cenários nem sempre correspondem aos meus, as telas pintadas nem sempre são com as mesmas cores...
Deixa-me gritar-te o que quero dizer, deixa-me perder o folego nalgo que já não sei se acredito, deixa-me perder neste mundo sem me agarrar mesmo a sério...
Estas coisas estão, definitivamente a virar do avesso o meu ser.
Deixa-me ser eu por inteiro, deixa-me voltar à paciência extrema, deixa-me voltar a deliciar-me, sim, deixa-me gostar bué de ti! Mas corresponde-me... corresponde-me com tudo...
Pede-me para esperar, pede-me para te ouvir, pede-me para... para um mimo... mas corresponde-me...
Sê o que tiveres que ser ao meu lado, rotula ou não o que sentes e o que queres, crê ou não, faz ou não, mostra ou não o formigueiro na barriga em combinação com esse olhar meigo e o sorriso sincero, sinónimos do "como te quero"...
Estou, estou aqui, estou a tempo, estou por inteiro, estou para ti!
publicado por Ovelha Negra às 21:54

 


26/Mai 18:20
 
A minha viagem já se iniciou!
No fundo os bilhetes não estão comprados, as cidades mal escolhidas, mas na verdade a data marcada e a certeza da partida!
A minha/nossa viagem será uma viragem na minha vida!
Três semanas longe do mundo real, no fundo mais real e mais sentido que qualquer outro. Três semanas de loucura, de aventura, de partilha, de "oh jack, jack", de plantas alucinogénicas daquelas que fazem rir.
Três semanas de alimentação da alma, de decisões, de marcações!
Para que não haja dúvidas, sim vou vir diferente, vou vir outra! Com outros objectivos, com outros investimentos, deixando pedaços de mim nos recôndidos da memória. Entendes?
Vou colocar incertezas e dúvidas de parte, e vou agarrar com cada pedaço de mim e da minha força o que me mostrar que vale a pena.
A minha partida, o dia que já tem data marcada será o adeus a muitas indecisões! Vou com determinações e volto com certezas.
E mais importante, vou para longe, sem certeza se volto, sem deixar ninguém à minha espera, sabendo que já eu esperei, por isso ficará naquela estação de comboio o ponto final mais definido que sempre!
No fundo tudo tem um prazo de validade, não é só o leite, daí, a minha partida provavelmente será eterna!
publicado por Ovelha Negra às 21:54

 

21/Mai 10:22
 
Olhar para ti... e deliciar-me!
O cruzar de olhares e ficar presa, olhar-te no fundo e ler-te o que me estás a dizer.
Uma brincadeira com uma tangerina (não, não, clementina!) na procura de um beijo resultado de um mimo, um mimo...
Entrelaçar as mãos num gosto-te profundo, deslizar por ti, por mim num desejo-te sincero.
Um beijo apaixonado no quero-te, só a ti, no és meu/minha, no "isto" é amor, e é tão nosso!
Uma construção a dois do sim quero-te cada vez mais, no és tu!
Um desejo tão íntimo de "entrar no teu abrigo"!
Uma verdade de sim, és amor profundo, desejo incontrolável, do sim, não é abalavel.
Um amor sujeito a inveja (coisa feia essa!), que nem faz mal, é a melhor parte de saber sincero que não foste/és usada, do estou aqui e estou para ti e dispenso quem não souber lidar com o não és nada!
És parte indiscutivel do meu ser, do meu desejo.
Acima de tudo, és o meu amigo... que sei estar sempre presente, mesmo se houver o adeus aos carinhos.
Foi/é uma construção saudável.
Por isso enquanto te ler no olhar, enquanto ficares preso em mim, numa demontração óbvia do te quero, enquanto me beijares apaixonadamente enquanto fazes amor comigo, enquanto me deres a mão na rua, enquanto não tiveres problemas de dizer a quem quer que seja que estás apaixonado, continuamos esta história, como a dos contos, em que sou a princesa que vou sendo acordada e tu o príncipe no cavalo branco (ou no bruta carro!). Enquanto fores o Miguel da minha vida, enquanto fizeres questão de dizer que o és eu estou aqui para me dedicar!
E à parte da chuva miudinha que se sacode facilmente dos ombros, que rapidamente seca, estamos os dois, mais um para o outro do que muita gente algum dia tenha sentido de ti. Junto-me ao elenco de quem ouviu e teve o melhor de ti!
Não falta nada meu querido! A resposta à tua pergunta está aqui!
publicado por Ovelha Negra às 21:53

 

14/Mai 14:02
 
A quantidade de coisas que tenho descoberto ultimamente...
Sabes, queria-te dizer tudo, tudo! A ti, e a ti, e a ti! E espero que os ti's saibam quem são, mas provavelmente estão longe da minha necessidade de lhes dizer o que me vai no peito!
A ti quero dizer que te amo, que ainda não sei o que espero de ti, o que esperar. Queria dizer-te que o mais certo é já nem esperar! Ninguém espera por ninguém certo? E se calhar vou caminhando a teu lado, mas sem perceberes que o meu trilho já é outro, longe do teu... cada vez mais... nem percebes que quando finalmente deixares de sentir que não sabes tomar decisões e decidires... será tarde. Teremos uma bonita, feliz e saudável recordação do nós, mas vai doer o ponto final que não vês que se está a delinear por isto ser assim...
A ti queria dizer-te que és espantosa! À parte dos mal-entendidos, das conversas intermédias e nunca directas, das suposições do ser uma da outra, das atitudes menos correctas de parte a parte... na verdade és incrivel! As dores fazem parte da vida é certo, mas caramba, tinha mesmo que doer tanto? Como eu compreendo, como uma que espero que nunca sintas, e não vais sentir, nesse campo como em todos os outros serás feliz, sem dúvida! E adorava poder convidar-te lá a casa, ter uma conversa sincera e aberta de uma série de chatices que já têm uns anos e que permitiu os nossos enganos!
A ti, a ti, a ti e a ti, queria dizer que são espantosos! Que não fazem apenas parte da minha vida, mas do meu ser! Que são parte indiscutivel de mim, e que bom é poder sentir-vos sempre!
E a ti, és uma pega! E pega posso! Ai dor de cotovelo ou seja lá o que for!!! Porque o que não nos destrói torna-nos mais fortes! Desgraçadinhos das segundas hipóteses!
Meus amores especiais, vos amo!
publicado por Ovelha Negra às 21:52

 

8/Mai 12:40
 
 
 
Somos leigos na vida!
Cada um de nós passa por dores incriveis, mas na realidade todos nós passamos na vida por coisas estrondosas! Peças maravilhosas que nos deixam felizes!
Normalmente a dor vem com essas perdas, porque não percebemos o fim, o porquê da não continuação. Na realidade não nos sabemos despedir, porque não somos capazes de filtrar que o que se passou de bom fez-nos crescer! Que a nossa vida pode se alterar, mas é o que é por tudo o que já vivemos.
Cada um de nós tem fotografias maravilhosas de pedaços lindos na nossa vida!
publicado por Ovelha Negra às 21:52

 

29/Abr 22:48
 
Antes de mais que se chame Miguel!
Que seja engenheiro!
Que me diga tantas vezes que me ama até enjoar!
Que me mande pelo menos um five crush por dia!
Que faça comentários super amorosos para afuguentar os outros!
Que tenha um hi5 cheio de fotos nossas!
Que me faça surpresas de me virem as lágrimas aos olhos!
Que organize de vez em quando fins-de-semana românticos em que a ordem do dia será amar!
Que me diga: "vais ser a mãe dos meus filhos!"
Que me mostre que sou importante!
Que saiba cozinhar!
Que me beije sempre apaixonadamente!
Que faça sempre amor comigo, mesmo que por trás e à bruta!
Dispenso o cavalo branco e pode vir num bruta carro!
publicado por Ovelha Negra às 21:51

29/Abr 9:55

 

Tenho saudadeds de um passeio! Agarrar nas trouxas, num carro com conhecidos que não se conheçam assim tão bem, e passar um fim de semana num sitio escondido. Preciso depressa de um momento a sós com alguém que ame, de me deitar num local paradisiaco e simplesmente admirar essa beleza. Faz-me falta o tempo que quero... As coisas mais certas são sempre as que passamos para segundo plano, achamos que podemos sempre deixar para depois, teremos tempo... mas às vezes não há esse tempo! Por isso bora? Vamo-nos enfiar no carro e ir nem sabemos para onde! Isto seria tão delicioso de acontecer... Fazia-nos bem a todos, certo? Faz-me falta...

publicado por Ovelha Negra às 21:50

 

24/Abr 12:03
 
Uma nova fase!
A partir de hoje, como o ínicio, como se o teu sorriso me tivesse enfeitiçado hoje!
Como se o teu olhar me penetrasse agora, me entrasse até ao mais íntimo.
Como se não houvesse ontem!
Como se não houvessem nem pedras nem fantasmas no caminho!
Não existem mesmo... são parte temporal que nem lembro. São conversas que tiveram o "the end".
Leio-te no olhar, no toque suave das tuas mãos no meu corpo, nos teus lábios a tocarem em mim... o mais sincero do "eu amo-te"...
Esta é "tal" história que todos esperamos na vida...
E sim, a isto se chama amor, porque sim é uma construção a dois... e isto está muito longe do entendimento dos não retribuídos... por isso te entendo... me entendes... por isto a intimidade do te quero e não do me apetece...
São as provas que surgem desnecessárias.
És especial!
Te amo meu doce!
publicado por Ovelha Negra às 21:49

 

16/Abr 13:40
 
Parte de mim ruiu completamente ontem...
Aquilo que achei ser diferente, aquilo que achei ter importância desabou por cima de mim sem dó nem piedade.
Caí... passei a fase do desespero, do choro no chão, do descontrolo, dos berros, do simplesmente não quero mais.
A fase do sai, deixa-me aqui tivesses pensado nisso.
A fase do acalmo-me e te ouço, a fase do será que é verdade o que me estás a dizer? E se é porque é que a história não coincide?...
Não, não vais ter com ninguém, mas vai, vai-te embora.
A fase de eu sei que agora tens medo... a fase de, sim eu sei que não sabes tomar decisões, a fase do... nem sei o que hei-de fazer...
E hoje a minha decisão é a de seguir em frente, chorar as vezes todas que sentir necessidade... enrolar-me de novo no meu canto e deixar-me estar... hoje já não te quero, desejo-te, mas dispenso-te...
Não sei até que ponto isto poderá ser apenas uma má recordação...
publicado por Ovelha Negra às 21:48

 

7/Abr 13:39
 
Houve um dia que ganhei um prémio!
O meu maior tesouro, o meu maior desejo de muitos anos.
A minha ambição, uma parte do meu objectivo de vida!
Houve um dia que não foi o dia certo. A altura indicada, a peça de teatro estava a ser servida pelas personagens erradas.
Houve um dia que o meu chão tremeu. Houve um dia em que o meu ser desequilibrou.
O meu maior desejo, o meu sonho, o meu tesouro, o meu anjo estavam temporalmente errados.
Houve um dia em que a música não era a correcta, não era afinada...
Houve um dia que deixei de sonhar, que perdi esse meu objectivo e aí percebi porque tinha o meu mundo ruído...
Houve um dia que voltei a desejar, que acreditei, que te posso voltar a ter. Voltarás para mim, serás tu na mesma. Serás tu com quem ainda conversei longas horas. A quem chorei agarrada por não saber se te iria ver.
Serás tu, o mesmo. Em mim.
E hoje desejo-te, mais que tudo, e virás novamente para o meu ventre, na altura certa, agora com as personagens correctas. Agora sim, escreveremos o guião a que queremos assistir.
E hoje, amo-te mais que no dia em que soube de ti.
E te espero... serei tua.. serás meu...
publicado por Ovelha Negra às 21:47

Hoje foi o dia que decidi finalmente criar um espaço onde pudesse escrever, escrever, escrever!

Por norma pensamento soltos, ideias escondidas que para não gritar preciso partilhar.

Os próximos posts serão partes de mim escritas outrora, que julgo que se encaixam neste espaço. No fundo, tudo isto não são mais do que pedaços de mim!

 

publicado por Ovelha Negra às 21:44
sinto-me: Triste, mas...

Janeiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO