... o local onde grito sem medo, nem censuras...

25
Jan 10

Hoje mais uma vez as pessoas deixaram-me estupefactas. Juro que por vezes me engano e acho que a estupidez tem limites, mas depois, sem sequer me dar ao trabalho de explorar em pormenor, descubro que a estupidez é como o universo- ILIMITADA!

Já aqui deixei escrito em posts anteriores, o facto engraçado que é ter-me cruzado nalgumas situações da vida (pessoal e profissional) com pessoas absolutamente desequilibradas. Certo é, que se trata de uma factor deveras interessante na minha formação, pois permite-me continuar a “estudar” sem livros abertos!

Bem, não podia era deixar passar (de novo! Sim, não sofreu manifesto meu da outra vez), estas reacções que toda a gente tolera (ou engole!).

Sempre fui educada, que a vida é feita de opções, e por vezes, é-nos de todo difícil uma escolha quase impossível! Mas na verdade, a vida é assim mesmo. Quando se torna complicado conciliar diferentes actores e contextos da vida, temos que optar, tarefa por vezes dolorosa, mas é assim mesmo, ainda não nos conseguimos dividir em dois (ou mais!) e estar em vários sítios e com várias pessoas ao mesmo tempo. Isto não acontece só a algumas pessoas (que estranho não é?), acontece a várias! Aliás, acontece a toda a gente! Seria capaz de escrever aqui uma panóplia de situações em que me senti na necessidade de escolher um sítio ou outro. E claro, que nem sempre foram as melhores decisões, mas a mal ou a bem cá nos vamos remediando.

Ora, o que me faz uma alergia por demais irritante, é alguém ter o desplante (sim, que não encontro uma palavra ainda mais forte!), de sugerir que a incompatibilidade é por intolerância… (pausa longa para me coçar!) …

É isto que não entendo, minha gente, o mundo não está errado, nós é que estamos, porque nós é que somos os actores principais da nossa vida, nós é que fazemos as nossas opções e decidimos para onde nos virar! Eu já aprendi isto, nestes curtos 26 de vida, então porque raio é que gente com mais 10 anos que eu e à partida com muito mais experiência de vida ainda não entendeu?

Desta vez foi impossível ficar de braços cruzados. Senti-me na obrigação de responder aquele e-mail que em parte vi como uma “agenda secreta” (do género, conto só a vocês que não vão partilhar com ninguém e assim nem tenho que enfrentar as pessoas, mas deixo no ar que a culpa é delas, ou de alguém que não eu claro!). Ora ainda bem, que continua também a haver gente que me surpreende pela positiva, e que de alguma forma se mantém atento, envolvendo toda a gente que toma decisões! Obrigada, até que enfim esta atitude, sem medo de partilhar ofensas (pois claro, acabam por cair em saco roto!).

A única dúvida com que fiquei foi quem é que ficaria com ressentimentos? Bem, descansada fico quando percebo que eu não! Significando isto que não preciso de uns anos para esquecer seja o que for. O meu equilíbrio mental sustém as minhas opiniões e afirmações. Deito-me todos os dias feliz e confiante do que sou, preciso lá de opiniões dos mal amados!

Assim, pensei muito bem em cada palavra, passando a mensagem que um movimento e um agrupamento (que também é meu, bem como até dos lenços amarelos, ou até mesmo sem lenço!), me transmitiram, deixando clara a minha opinião, se bem que mascarada com algumas palavras bonitas para não ferir (directamente) susceptibilidades. Claro que esta forma pomposa serviu também para me proteger, com alguma ironia.

Por fim, não posso deixar de manifestar o meu contentamento - ATÉ QUE ENFIM! Que não há cá tempo para isto!

Vão lá, à vossa vidinha infeliz, dentro de um casamento falso e sem sinceridade (e respeito), a continuar a educar crianças que cada vez mais trazem mais problemas noutros contextos (claro que também é culpa e intolerância desses contextos), em locais de trabalho que as únicas pessoas que os reconhecem são os familiares (que por sinal também sofrem do síndrome Peter Pan, bem como já aprenderam o discurso “sou um infeliz porque o mundo e a vida tratam-me mal!”).

Desta vez fiz questão de não me inibir de me manifestar. E finalmente, posso perder a minha postura e ser ofensiva se bem me apetecer.

Ainda bem que tarde ou cedo as pessoas acabam por se manifestar.

 

Agora outros “quinhentos”. Ontem fui à corrida do fim da Europa. Eram apenas 4.200km mas confesso que não estava com fé nenhuma. O frio e a chuva têm-me tirado toda a vontade de treinar, e a preparação era por isso pouca…

Ao lado ía o querido, que o que lhe custou mesmo foi correr tão devagar! Mas manteve-se ali ao meu lado, a ver-me por vezes em sofrimento, mas a ver-me não desistir. E ao ver a meta ali tão perto, era impossível “morrer na praia”, numa corrida com uma vista absolutamente fenomenal (Cabo da Roca), e mantive o meu passo lento mas terminei. Os dois, lado a lado, de mão dada, numa vitória pessoal com um sabor delicioso da relação.

Muito doce!

 

 

 

E para terminar (que hoje pareço sem fundo), meu Anjo, desnecessário dizer-te que a vida é assim mesmo, e que as dores são todas (bem, quase todas) ultrapassáveis. Mas esta é, apesar de olhares para ela e te poder parecer impossível. Mas não é, os dias agora vão piorar, a dor vai ser mais intensa ainda. Virá uma fase de negação enorme, e um sentimento de solidão associados a luto que vai parecer não ter fim. E depois, sem sequer dar-mos conta disso, a vida vai passando, continuando com as coisas boas que nos vão contemplando, chegando a uma altura que reparamos que afinal a dor já nem está lá.

O tempo, esse sim vai-se encarregar, de resto não há muito a fazer, apenas uns abraços e uns mimos de conforto. Sei bem que disso tu és capaz. Hoje e amanhã estarei ao teu lado, para te suportar enquanto sei que assumes o papel de muleta a alguém que amas tanto. Quando caíres, podes ter a certeza que te vou suportar!

 

publicado por Ovelha Negra às 13:44
sinto-me: incrédula!

20
Jan 10
Reglette regime Tem que ser, tenho que ir assumindo estas coisas, senão desleixo-me...
publicado por Ovelha Negra às 12:33

18
Jan 10

Reglette regime

Fome.... lol

publicado por Ovelha Negra às 22:34

17
Jan 10

60,700... Xiu...

foi com esforço... muito esforço e dor!

publicado por Ovelha Negra às 23:55

16
Jan 10

Hoje é dia não. É dia de lembranças dolorosas. Hoje sinto que ponho à força um sorriso que não quero. Hoje tento por tudo o consolo no meu peitinho, que está demasiado ocupado consigo mesmo.

Não censuro. Mas enquanto desesperadamente tento acabar um relatório, as imagens de há 3 anos sufocam-me. E às vezes é de todo impossivel resistir e acabo mesmo por quebrar. Hoje dói-me. Que coisa esta de as datas terem tanto peso e significado. Que coisa esta de as músicas mexerem com o meu intimo e me relembrarem algo que adorava enterrar. Que coisa esta, de a cada ano doer mais que no ano anterior.

Sinto-me com falta do colo, do mimo, mas se o peço... bem, hoje há outras coisas.

Tento num sufoco ocupar a minha cabeça com escutismo e com responsabilidades escutistas, mas bem, é demasiado forte este quê de nem sei quê!

Enfim, sofro por amor hoje platónico, que em tempos foi mais real que tudo! Que em tempos escrevi sobre ele, e quantas vezes chorei nos meus próprios braços resultado de uma dor quase insuportável.

Mas enfim, os dias passam, a dor vai atenuando, os dias vão seguindo numa vida que sabe bem, mas que podia saber melhor...

As lágrimas que me lavam a caram são resultado da fraqueza do momento, que ao final do dia acaba. E a precisar de uma atenção extrema, a precisar de total atenção e carinho. Não faz mal que não esteja eu no sitio do costume, mas era bom um abraço.

publicado por Ovelha Negra às 14:13

13
Jan 10

Tenho que ser sincera comigo antes de mais, e gritar que sim, acredito mesmo que não sei o que o mundo nos trará no dia de amanhã. E que na verdade, porque muito que isto pareça sem sentido vindo da minha boca, espero que traga resoluções a muitos corações. E não digo corações nos termos de amor apaixonado, mas sim do amor puro da amizade, porque esse é o melhor, esse sim pode ser para sempre. Por muito que pareça errado eu dizer isto, por muito que não pareça lógico o que estou a dizer, na verdade é o que eu sinto, e ainda bem que teno a liberdade de o passar para algum lado.
Por isso, a minha vontade é agarrar em dois seres, preparar o bolo e o chá, e sentá-los a conversar, porque eu sei que o devem fazer e que têm a capacidade de resolução.
Mas não, não posso fazer isto, é que EU, eu especificamente não posso fazer isto. Não que não queira mesmo, como já disse amo-o tanto que só o quero ver feliz, com pessoas integras à volta dele, com amigos que o ouçam quando precisar, com amigos para quem possa correr quando precisa desabafar e quando poderei não ser a melhor resposta, porque eu até posso ser o motivo.
Sim, por causa desse amor, eu gostava dessa conciliação, para que ele possa estar em paz, para que a total harmonia exista na vida dele.
Porque agora sei (ou espero), que tenha aprendido a capacidade de ser sincero, de assumir o que diz, o que sente e principalmente o que faz!
Já nos conhecemos, já sabemos o tanto que temos a dar, não há razão que justifique tal mágoa...
Continuo ansiosa pelo próximo dia, que ele traga soluções e novidades de rasgar sorrisos.
Carpe Diem

publicado por Ovelha Negra às 18:46

10
Jan 10

Senti-me obrigada a recordar alguns pontos não resolvidos na minha vida...

Tenho que me confessar francamente feliz, e hoje mais que nunca sim tenho a certeza que quero partilhar completamente a minha vida com quem partilho. Sem dúvida que vivendo e revivendo é a pessoa certa, a minha alma géma, o meu olhar profundo.

No entanto, e não directamente por isto me levei a lembrar numa situação passada na minha que simplesmente de arruinou. E se em tempos teria dito destruiu, hoje aqui estou, mais feliz que algum dia, realizada, e principalmente com a consciência mais tranquila que sempre. Sinto-me sinceramente uma pessoa deveras integra.

Lembro de não há muitos anos, numa inconsciência própria da idade, mas de quem se julga já muito crescida, de pensar que como tudo o que tinha feito na vida, a mim ou a outros tinha sido resultado do que teria que ser, que doesse ou não, não me arrependia de nada do que tinha feito ou dito...

Hoje, a idade traz-me outra consciência. Sim, arrependo-me de algumas coisas que fiz e disse, embora na verdade tivessem servido para me transformar na pessoa que sou hoje, embora servisse para este crescimento do intimo, o mais importante é ter a coragem de dizer que existe o arrependimento, e que hoje a acção não teria sido esta!

Isto trouxe-me à lembrança a minha paixão/amor/dependência passada e sim ultrapassada. Em tempos procurei resolver questões que me pareciam pertinentes para seguir a minha vida. Mas na verdade, o engano em que andei se mantém para a vida de alguém que não a minha. Aquela pessoa, apesar do tempo, apesar das tentativas de não querer ver e querer mudar não merece de todo qualquer importância.

Ao pensar de novo nisto tudo lembrei-me de uma música que caracteriza a fase da minha vida que fui deixada ao abandono. Que tive que chorar sozinha, que tive que negar aquilo que de tão forte sentia. E ouvindo uma música pensando em dois seres que não me iriam ter, e em um em especial que ainda hoje amo mais que tudo, ouvi esta música que se segue, vezes e vezes sem conta... Como se tivesse sido escrita para a minha história de vida, encaixa que nem uma luva naquilo que vivi...

 

"Goodbye My Lover"

Did I disappoint you or let you down?
Should I be feeling guilty or let the judges frown?
'Cause I saw the end before we'd begun,
Yes I saw you were blinded and I knew I had won.
So I took what's mine by eternal right.
Took your soul out into the night.
It may be over but it won't stop there,
I am here for you if you'd only care.
You touched my heart you touched my soul.
You changed my life and all my goals.
And love is blind and that I knew when,
My heart was blinded by you.
I've kissed your lips and held your hand.
Shared your dreams and shared your bed.
I know you well, I know your smell.
I've been addicted to you.

[x2]
Goodbye my lover.
Goodbye my friend.
You have been the one.
You have been the one for me.

I am a dreamer and when i wake,
You can't break my spirit - it's my dreams you take.
And as you move on, remember me,
Remember us and all we used to be
I've seen you cry, I've seen you smile.
I've watched you sleeping for a while.
I'd be the father of your child.
I'd spend a lifetime with you.
I know your fears and you know mine.
We've had our doubts but now we're fine,
And I love you, I swear that's true.
I cannot live without you.

[x2]
Goodbye my lover.
Goodbye my friend.
You have been the one.
You have been the one for me.

And I still hold your hand in mine.
In mine when I'm asleep.
And I will bare my soul in time,
When I'm kneeling at your feet.
Goodbye my lover.
Goodbye my friend.
You have been the one.
You have been the one for me.

I'm so hollow, baby, I'm so hollow.
I'm so, I'm so, I'm so hollow.
I'm so hollow, baby, I'm so hollow.
I'm so, I'm so, I'm so hollow.
 

publicado por Ovelha Negra às 18:24

09
Jan 10

Ontem ao ligar a net, como habitualmente cá por casa, a passear por páginas vistas e revistas, sem saber muito porquê fui a uma zona que não costumo frequentar... as mensagens! E assim me deparei com uma msg de alguém que em tempos odiei e ataquei mais que nunca. Bem, como tantas vezes já escrevi por aqui, alguém a quem na altura me fazia sentir necessário esse dedo na ferida, talvez para camuflar a dor que eu própria sentia. Ontem quando me deparei com aquela mensagem, a minha primeira sensação foi muito semelhante ao dia 24 de Abril de 2008, com o frio nervoso a percorrer-me no corpo e com um pensamento constante: "o que foi agora, eu estava quieta no meu canto, e se alguém te ofendeu não fui eu!". Mas não, foi muito claro à medida que lia aquela mensagem, que não se tratava de um ataque, mas sim se um limpar de problemas na vida ao começar de um novo ano.

Devo confessar que li a mensagem com o máximo de atenção, todas aquelas palavras me diziam muito, e eram palavras qu me poderiam descansar aqui no meu ser, destruir fantasmas que me assolam e percorrem a minha relação por muito que tente viver em negação...

Foram palavras sábias na verdade, de alguém que me pareceu ter feito uma retrospectiva na vida, que percebeu que apesar de atacada por mim, foi uma defesa de quem amava e não queria era atacar quem tinha ao lado, no fundo e como bem sabemos a três (sendo dificil ou não essa asumpção), único principal culpado. No fundo, falamos de uma história de dor, que no meu caso deu origem a muitas lágrimas, a muito auto-consolo nos meus próprios braços, num qualquer canto do meu espaço. Deu origem a minha dor... mas esta dor só foi sentida pelo o amor que pairava, pois só aqueles que verdadeiramente amamos nos podem magoar de tal maneira.

Como respondi ontem, num texto não pensado e passado directamente para as palavras em tom de resposta de efeito rápido, mas longa, compreendo hoje perfeitamente o que se passou. E não era o meu alvo correcto, mas foi mais fácil assim, e apesar de ter necessidade de me desculpar da situação, pois de toda não fui correcta, na verdade, se assim não fosse, hoje em dia não tinha ao lado a pessoa que tenho. E essa pessoa é a correcta, é verdade estava no olhar dele, estava bem no centro dele só não queria era de todo assumi-lo, tomar decisões é algo muito dificil e às vezes custa mesmo muito a sério! Um segredo... há tanto de tempo que não ouço "não sei tomar decisões"... constatei isto outro dia, sinal de que também eu lhe trouxe alguma estabilidade. É nisto que apesar de tudo, sentimos que as coisas valeram e valem a pena. É triste ter sido assim, ter resultado no que resultou, mas nem sempre somos tão crescidinhos como julgamos ser. Nem sempre agimos com a integridade devida, nem sempre somos fiéis aquilo que até nós próprios acreditamos.

Mas hoje, e sem dúvida nenhuma, após aquela mensagem, a que prontamente respondi, dizendo o que há muito ia dizendo aos meus por meias palavras, encerrei um capítulo. E por isso mesmo o meu muito obrigada, pois precisava desta calma na minha vida.

E a razão principal prende-se com o facto de olhar para ele e ver que sempre foi verdade esse olhar que me mostrava de te amo, e que sim, lhe era dificil partilhar com alguém, e que só o faz com plena certeza do que sente... e que o fez! E ouvir de alguém, que apesar do engano me diz que via o mesmo em relação a mim, sim, diz-me muito!

Após o enviar da resposta, despachei-me a ligar para ele. Não queria deixar pontas soltas, nem tão pouco vir a ter chatices e confusões desnecessárias. E assim que chegou a casa sentámo-nos, e pela primeira vez, tivémos uma conversa clara, sem excesso de mágoa (embora não minta, a mágoa não desaparecu por completo), sem lágrimas, sem gritos, sem "afasta-te". De mão dada conversámos sobre isto, partilhei-lhe finalmente o que sentia e como me senti com aquela mensagem...

E assim abraçados encerrámos finalmente um capitulo.

 

Preciso no entanto referir que as pessoas me podem deveras magoar muito, mas que sem dúvida o tempo cura mágoas, que esta mágoa e este ódio (sim, é aquele sentimento que sentimos quando alguém nos magoou e até lhe queremos mal por pouco tempo que seja), passa também ao longo do tempo desvanecendo-se e que sem dúvida com a devida justificação desaparece totalmente. Hoje tenho pena que alguém tão importante poara mim tenha simplesmente perdido uma amizade que sei importante... há coisas que não se misturam e a amizade não se mistura com prazer cranal, eu aprendi isso na vida, muitos aprenderam de pior maneira. Como costumo dizer, veremos o dia de amanhã, porque a vida dá voltas imensas, e quando crescemos, tornamo-nos capazes de tirar pequenas pedrinhas dos sapatos que nos dificultavam a caminhada.

É bem verdade, as pessoas não mudam, mas crescem.

Obrigada por termos crescido todos, faz falta a uma vida Carpe Diem...

publicado por Ovelha Negra às 11:26
sinto-me: aliviada

Janeiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
14
15

19
21
22
23

24
26
27
28
29
30

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO